Novos Olhares da Gestão Cultural

” É preciso entender o que temos em nossa cidade e entender a cultura na contemporaneidade” Cristina Lins

O seminário Olhares da Gestão Cultural desembarcou na cidade de Itapetininga no último dia 20 de junho. O evento foi realizado no auditório Alcides Rossi ao lado do paço municipal e contou com a presença de gestores, artistas e fazedores culturais da região de Sorocaba. Olhares da Gestão Cultural é uma ação das Oficinas Culturais, organização social de cultura vinculado à Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo.

Durante o dia, experiências e propostas para a gestão cultural foram compartilhadas e debatidas com o objetivo de contribuir para a formação e capacitação dos inscritos. Após credenciamento e café da manhã, a prefeita de Itapetininga Simone Marquetto fez a abertura do seminário em uma saudação que enfatizou o compromisso de sua gestão com a cultura da cidade.

O primeiro palestrante foi o ex-secretário de cultura da cidade de São Paulo Carlos Augusto Calil com o mote, Gestão Cultural no âmbito municipal. Calil inverteu o protocolo e sugeriu aos participantes que apontassem quais as demandas mais relevantes. Crise financeira, orçamento e burocracia foram temas identificados como um dos principais entraves ao andamento das políticas culturais. Calil analisou as questões de forma realista e disse aos presentes que a crise é um fenômeno recorrente no país. Para o enfrentamento dessa crise, a estratégia segundo Calil, é a liberdade, a ação, a socialização e a sensibilidade.

A segunda palestrante foi a economista Lidia Goldestein; com uma abordagem histórica da economia através de uma viagem as revoluções industriais, Lidia situou os presentes frentes aos desafios de entender os instrumentos econômicos de avaliação e análise, no que toca a cultura, a arte e a criatividade como variáveis para a geração de emprego no Brasil. Ao final, ela relembra as antigas carências econômicas no país, como necessidade de desenvolver uma infraestrutura de verdade, aliada a um programa sério de educação capaz de gerar mão de obra pensante para o país.

Ana Carla Fonseca foi a terceira a intervir no seminário. Ela destaca a predominância da população urbana sobre a rural, movimento que teve início na década de 40 do século passado. Isso impõe um desafio permanente as cidades, rediscuti-la é fundamental, mas para fazê-lo Fonseca sugere uma reflexão sobre o conceito da transversalidade cultural. Esse princípio clarea a noção do que é cultura no século XXI e a sua relevância para o desenvolvimento sustentável. Três características básicas devem norteiam uma cidade dita criativa, segundo Fonseca: Inovação; cidade capaz de se reinventar segundo seu potencial. Conexões; a comunidade articulada com poder público, universidades e iniciativa privada num processo permanente de discussão e elaboração de propostas. Cultura, qual potencial da cidade, observar seu perfil, suas características social e cultural.

No período da tarde, o sociólogo Frederico Barbosa expôs sua contribuição cujo tema espinhoso são os indicadores culturais. O desafio de elabora-lo; a criação de metodologias simples para a avaliação e o controle. Barbosa percorreu parte da realidade do Programa Cultura Viva e os Pontos de Cultura para ilustrar a criação de indicadores. Em seguida, Cristina Lins, representante do IBGE se debruçou sobre o uso desses indicadores e a sua aplicabilidade. Para Lins, a preocupação com a política cultural não é nova, “é preciso descobrir o que nós temos e entender a cultura na contemporaneidade”. Ela finalizou sugerindo aos presentes que criem o hábito de pesquisar os dados, sobretudo no site do IBGE, além de outras tecnologias disponíveis da nuvem.

Além de Itapetininga, o seminário já percorreu municípios como Lins, Marília, Registro, São José do Rio Preto entre outras cidades de várias regiões do estado.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui