As mil e uma noites e o dia internacional da Mulher

62

Que relação tem Xerazade com as mulheres contemporâneas da luta? Não sei, talvez tudo. Coincidência ou não, fato é que como regra estabeleci o compromisso diário, logo cedo, a leitura de uma crônica de Rubem Alves.

A crônica que me venho para o deleite dessa manhã, do Dia Internacional da Mulher foi a que ele escreveu sobre As mil e uma noites, de autoria sabidamente desconhecida. A personagem principal dessa estória é Xerazade.

Reza o conto que o Sultão, após sofrer adultério decretou que todos as noites se casaria com uma mulher diferente, uma mais bela que a outra.  Na manhã seguinte de cada casamento, após desposá-las, decapitaria cada uma delas para que dessa forma não corresse o risco de sofrer nova traição.

Após inúmeros casamentos e decapitações; a filha do principal ministro do Sultão, o vizir responsável pelas execuções dos decretos matrimoniais, se candidatara irredutivelmente a vez; e ao casamento com a realeza, o Sultão. Segundo a escrita, Xerazade, além de belíssima conhecia milhares de histórias e provérbios filosóficos.

Pois bem, após a consumação do ato carnal e do esgotamento físico do Sultão, antes que ele ordenasse a decapitação da filha de seu vizir; Xerazade lhe assopra palavras ao ouvido. Começa a falar, contar estórias que lhe cai como um dos atos mais prazerosos que jamais imaginaria possível. Desse modo, Xerazade convencera e persuadira o Sultão a não decapitá-la.

Uma outra leitura poderia ser feita; o Sultão adiou a execução por Mil e uma noites, eternamente e um dia a mais. Mas daí é cada um com o seu juízo.

Floreado as palavras, já distante do conto, volto a pergunta inicial. Qual relação tem Xerazade com as mulheres das lutas modernas? Eu diria que a luta.

Xerazade lutou por bravos mil e uma noites por sua vida, resistindo, reexistindo se reinventando conforme as circunstâncias lhe obrigavam. Habilidosa contadora de estórias tinha como recurso repertórios. A exemplo da personagem fictícia de autoria desconhecida, o repertório desenvolvido pelas mulheres das lutas modernas e contemporâneas, a exemplo daquelas 126 queimadas numa fábrica têxtil sob uma extenuante e excessiva jornada de trabalho, sob condições das mais desumanas na cidade de Nova York em 1911, passa longe da ficção literária e se reverbera até hoje fortalecendo o empoderamento feminino em todo o planeta.

E o que falar da brava mãe solteira, preta e de periferia como a Tia Roseli do documentário “Deus é uma Mulher Preta, das estudantes  Débora Mitie e Huli Balász, que só na companhia da força de Deus e dos ancestrais transcende o território normativo-colonialista, ensina e persevera.

A literatura realista ganha contornos dramáticos quando se observa as estatísticas de violência contra mulher que somente nesse período de pandemia e obscurantismo registrou 105 mil denúncias entre março de 2020 a março de 2021.

O dia internacional da mulher é um dia de luta por manutenção de direitos e conquistas, e por mais direitos e equidade. As rosas bonitas e cheirosas  servem para ornamentação de vasos, ganha novo significado com as mulheres nas ruas. O que elas querem é equidade, combate a violência e o direito à vida ainda no século XXI.

Salve as Mulheres Empoderadas, Salve o Dia Internacional da Mulher, Salve o feminismo brasileiro. Saravá.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui